Prefeito de Garopaba esclarece dúvidas sobre a TPA

Postada em 22.11.2019 ás 10:45

Nos últimos dias o que mais se fala nas redes sociais e grupos de Facebook é sobre a Implantação da Taxa de Preservação Ambiental (TPA) em Garopaba. A maioria dos que expõem esse fato em redes se mostram contrário, em contrapartida uma minoria se demostra a favor da taxa. Resolvemos fazer uma reportagem para esclarecer melhor e poder ajudar os munícipes na sua escolha.

De acordo com o prefeito Paulo Sérgio de Araújo, o município de Garopaba fez, apenas, um estudo para que pudesse ter em mãos um diagnóstico do perfil de pessoas que vem no município. “Se entram de carro, de caminhonete, quantas pessoas chegam, tudo isso a gente sabe, aí começamos a desenhar a cidade conforme o estudo. Eu acho importante a TPA em Garopaba, seria uma maneira de investir 100% na área ambiental”, conta o Prefeito.

Ainda de acordo com Paulo, a cidade iria ganhar muito com a implantação da TPA, pois seria possível investir no turismo ecológico em Garopaba. “A TPA nunca foi uma imposição do Executivo e sim um projeto, uma sugestão. Será construído junto com o povo de Garopaba”, reforça o Prefeito.

Ao ser questionado se a cidade possui estrutura boa para implantar a taxa o Prefeito disse que aos poucos as melhorias estão acontecendo na cidade. E falou sobre uma novidade que terá este ano na praia do centro, que é a colocação de dois banheiros container. (clique aqui e veja mais detalhes).

Outro medo da população é que o turismo na cidade venha a diminuir com a TPA. Segundo Paulo, ele ficou uma semana em Bombinhas, município que possui a TPA, e foi constatado que a cidade só cresceu em relação ao turismo. “Bombinhas se transformou, eles tem uma máquina, que compraram com o valor da TPA, que peneira a área e tira as impurezas da areia, até as bitucas de cigarro ela recolhe. Isso lá diminuiu em 50% a lotação de pessoas em postos de saúde, pois praias mais limpas, menos doenças”, explicou Paulo.

“Eu fui a São Paulo e passei por 15 praças de pedágios e uma delas R$ 15,60 reais. Se vamos a Gramado tem taxa de pedágio, mas as pessoas não deixam de ir a Gramado porque tem que pagar pedágio. Imagino que não deixarão de vir a Garopaba porque tem que pagar a TPA”, fala Paulo.

De acordo com relatório feito em Bombinhas e divulgado pela NSC TOTAL, na última temporada que teve resultados ruins em quase todo o Litoral, Bombinhas apresentou um resultado fora da curva. Ao menos, é o que mostra o relatório do período de cobrança da Taxa de Preservação Ambiental (TPA), que terminou em 15 de abril de 2019. Os dados mostram que o número de veículos taxados – ou seja, de turistas – aumentou 4% em relação à temporada anterior. E as taxas pagas somam R$ 8,3 milhões, um valor 29,6% maior do que a arrecadação do verão 2017/2018.

Que vai pagar:

De acordo com o prefeito, quem mora aqui não paga, quem tem casa aqui não paga, municípios vizinhos também não irão pagar. Tem uma série de pessoas que não vão pagar e outras que irão pagar a taxa.

Cobrança

O período quem determina é o munícipio com a população. “Pode ser um mês, dois ou três. A população com a administração de Garopaba é quem vai definir esses detalhes”, explicou Paulo Araújo.

 

Redação por Carla Fogaça

Redes Sociais

Todos os direitos reservados © 2014
::::::::::::::::. Garopaba 98,3 FM .::::::::::::::::